RESUMO: Com o conhecimento da distribuição do sistema radicular da palma forrageira é possível aprimorar o seu manejo, já que podem ser definidas áreas do solo mais propícias para a aplicação de fertilizantes e a instalação de sensores de umidade do solo em condição irrigada. Assim, objetivou-se avaliar a distribuição radicular de genótipos de palma forrageira sob percentagens de reposição de água no solo. Para isso, desenvolveu-se experimento de campo envolvendo dois materiais genéticos de palma forrageira (Gigante – Opuntia fícus-indica Mill. e Miúda – Nopalea cochenillifera Salm-Dyck) e seis percentagens de reposição de água no solo, com base na evapotranspiração de referência – ET0 (T1, sem irrigação; T2, 15%; T3, 30%; T4, 45%; T5, 60% e T6, 75% da ET0), dispostos no esquema de parcelas subdivididas, ficando os tratamentos de irrigação nas parcelas e os materiais genéticos nas subparcelas, no delineamento em blocos casualizados, com três repetições. Aos 390 dias após o plantio deu-se início à coleta de raízes das cultivares para análise da densidade de comprimento de raízes (DCR). Constatou-se que a DCR muito fina diminui com o aumento da distância da base da planta e profundidade e a DCR total, fina, pequena e média aumentam com maiores reposições de irrigação; 75% da ET0 próximo à base da planta incrementa a DCR; todas as classes de raízes se concentram entre 0-0,20 m de distância e 0,10 a 0,25 m de profundidade, e a percentagem da DCR é maior no genótipo Gigante e o genótipo Miúda apresenta melhor distribuição.

Palavras-chave: Opuntia fícus-indica Mill., Nopalea cochenillifera Salm-Dyck., raízes, regime hídrico.

Ver artigo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here