Objetivou-se avaliar durante três ciclos de produção a exportação de nutrientes, o balanço nutricional e a taxa de recuperação de macronutrientes pela palma forrageira‘Gigante sob doses e fontes de adubação, e arranjos de disposição de plantas na área. Os 72 tratamentos foram dispostos em esquema de parcelas sub-subdivididas em delineamento em blocos casualizados com três repetições, sendo duas configurações nas parcelas (fileira tripla e quadrupla); três espaçamentos nas subparcelas (3,00 x 1,00 x 0,25 m; 3,00 x 1,00 x 0,16 m e 3,00 x 1,00 x 0,125 m); e 12 tipos de adubação nas sub-subparcelas (com fontes orgânica, organomineral e mineral). Os maiores aportes de nutrientes proporcionam maiores exportações, independentemente da fonte. A ordem de exportação de nutrientes foi K > Ca > N > Mg > S > P para as adubações mineral, orgânica com 30 Mg ha-1 ano-1 e organomineral com 30 e 60 Mg ha-1 ano-1 adicionada de N-P-K e P-K, enquanto nas adubações orgânicas com 60 e 90 Mg ha-1 ano-1 e organomineral com 90 Mg ha-1 ano-1 mais 600 kg ha-1 de K2O, a ordem de exportação altera para K > Ca > N > Mg > P > S. O balanço de nutrientes apos três ciclos foi positivo para N, P e S, como também para K nas adubações mineral com 600 kg ha-1 de K2O e organomineral com 30, 60 e 90 Mg ha-1 ano-1 de esterco bovino adicionado de 600 kg ha-1 de K2O. Porém, negativo para Ca e Mg em todas as adubações. As maiores taxas de recuperação de K e as menores de N ocorrem nas adubações orgânicas.
Palavras-chave: Opuntia, adubações organomineral, exportação de nutrientes

Ver artigo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here